quinta-feira, 5 de junho de 2008

Prefácio

A relação com essa entidade que hoje conhecemos como "blogue" é, para muitos, extraordinariamente instável. A instabilidade tem de ter, parece-me, um fundamento ontológico. Se a filosofia anda há vários séculos a tentar reconciliar o corpo, a matéria com o ideacional ou o espírito, imagine-se o que acontece quando nos começamos a mover num espaço que nem é material nem espiritual. Não espanta que indefinição ontológica deste "meio" que é internet - e, neste particular, um blogue - só pode gerar indefinição na forma como nos relacionamos com "ele". Talvez isso explique porque comecei por aqui, para depois ter passado para aqui, espaço que troquei para ir para aqui, antes de mudar para aqui - tudo num espaço de pouco mais de 2 anos. Quando a infinita inquietude do espírito encaixa mal com a quieta finitude do corpo, é preciso encontrar encontrar outras plataformas. Esta é a plataforma do momento.

É ela que, por agora, vai exprimir as inquietudes do espírito. Apesar do discurso do parágrafo anterior, elas andam em torno de assuntos um pouco menos etéreos: a privação, a abundância, a (des)igualdade, a desconfiança, a cooperação, o crescimento, a (re)distribuição, as instituições, a política, a educação. Temas de todos os dias e de todos os pensamentos, mas que precisamos, muitas vezes, de olhar de longe, com calma que só os estudos mais rigorosos nos conferem. A calma - para muitos, talvez mesmo o ennui - e o esclarecimento.

Sim, talvez este queira ser um blogue um bocadinho esclarecido. Revoltado (Camus oblige), mas esclarecido.